quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Cócegas

" Esta sarna de escrever, quando pega aos cinquenta anos, não despega mais. Na mocidade é possível curar-se um homem dela (...) Sorriu, e continuando a procurar num livro aberto a hora em que tinha de cantar no dia seguinte, confessou-me que não fizera mais versos depois de ordenado. Foram cócegas da mocidade; coçou-se, passou, estava bom"  Dom Casmurro, de Machado de Assis

Ainda não cinquentenei, mas já sinto que a sarna me pegou. Mas devo confessar que até gosto. Queridas cócegas, podem ficar.

Um comentário:

Dê-me o seu aval.